quinta-feira, 20 de agosto de 2009

DIALÉTICA DA FEIÚRA E DA BELEZA INTERIOR

Querer do feio, ferido prévio:
Que só se enamore do semelhante;
Que se distraia;
Que se encha contente, interior...
Dique artificial...

É como pedir voto de pobreza ao mendigo.

Ah se São Francisco viesse hoje!
Quem sabe não devia de vir mulher!?

Ex-capa-atriz-cantora-modêlo-dançarina, conclamaria:
- Ó belos, deitai ao chão a própria beleza!
- Depravai a memória,
mortalidade invisível em vossos corpos!
- Ó feio, sê assim, mudai a história, redimi a todos!
- Para a tua e a glória daqueles:
ajinhos feios há tanto decaídos mesmo em cântico!

Mas como é bela, e boa, e bem sabida,
A danada da santa não veio ou mandou recado.
(Belas são boas em dar bolos!)

Não! Não que seja errado ou inviável
Pedir-se coisas luminosas também ao feio.
Ou mesmo que o feio seja alheio ao sublime.
Creditemos, ora, solenemente a ele,
Olhos profundos e um coração atento.

Mas, admitamos,
Um exigir tamanho, pesaria demais obsceno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário