sexta-feira, 3 de julho de 2009

DIÁFANO

Despi minha música interior de sua forma mais proposital,
E esvaziei minha ânfora de convicções e suspeitas
Sobre um chão hostil e desesperançado.
A ideia mais clara a que chego de mim mesmo,
É de um alguém que durante a vida economizou sorrisos,
Celebrou os anos e chorou definitivamente.
Mas que hora fugaz é nossa hora!
Já quase pesada de infinitas ausências
Acatou a ordem humana de perecer

Nenhum comentário:

Postar um comentário