quinta-feira, 23 de julho de 2009

AO FINADO GATO CHAPLIN - Que viveu com Theo

Boa morada é a casa que brinca,
Brincando o divagar da inconsciência.
Gatos tramam batalhas na relva...
Sonhando, eu escolho o arborecer...

Não sei se creio ou se apenas minto
Haver mais esperança aos que ficam.
Convenhamos: fica mais distinto
Desautorizar a desilusão.

Seríamos melhores sem o medo?
Mas não seríamos carne e há vaidade
Réguas, contas, pontas de arremedo.
Somos sempre um pouco de metade.

Brusca trágica de alva ardência,
Encilhadas torrentes nos levam.
Tragédia de não ser bicho é carência,
Estranho livramento o que encobre.

Ninguém viu, ninguém testemunhou nu.
Calor alembrado à dita noite
Em que Chaplin se foi homônimo,
Catar ninho de pardal e catende...

(Próximo ao muro da vizinhança...)

2 comentários:

  1. Que bonitinho.
    Tão sentimental.
    Tão humano.
    Muito bom.

    Felicidades e paz,

    www.coreseideias.blogspot.com

    ResponderExcluir