quarta-feira, 8 de julho de 2009

PREPASSO

Antes de nascer meus pais me compraram roupas,
Fizeram pré-natal e avisaram a família.
Escolheram também o médico e a fé,
Escola, profissão e humor!
(Desejaram que eu fosse além de um joelho que ri)

Então nasci.

E logo imaginei que o vento realizava uma volta doce e solitária
Pelo planeta azul, bola de gude azulada no abismo.
Eu gostava de pensar na flor em parapeito de edifício duro
Que um beija-flor veio provar.
E imaginar quem escutava discos engraçados
Esvoaçando pelos ares notas sem preparo à vizinhança.

Foi quando muito cedo
Disseram que nasci para ventos...
Não sei se sou assim porque de tanto ouvir,
Ou se de tanto ouvir os ventos.

Dispensei que, se soubesse as coisas de verdade,
Eu saberia bem menos que sei.
Só então compreendi porque na hora das fotografias,
Parecia sempre o mais entediado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário